Entrevista Basílio Horta, Presidente da Câmara Municipal de Sintra

by • • • Comments (0)

Que políticas desenvolve o Município de Sintra para a atracção de investimento directo estrangeiro?
Estabelecemos, no quadro das prioridades políticas, a necessidade de construir um ambiente institucional favorável ao investimento. Um investidor é um amigo do concelho. Não há sobre essa matéria nenhuma hesitação desde que o investimento assegure responsabilidade social e carácter inclusivo.
Fomos, somos, seremos, parceiros activos e empenhados dos promotores de investimento e, de modo particular, no Turismo, Inovação e desenvolvimento tecnológico industrial, na área da logística.
No turismo e face às condições extraordinárias de Sintra, acolhemos favoravelmente (também) o turismo residencial. Temos capital humano e território. Ao investimento, ao bom investimento, dizemos, venham.

Em que medida o Turismo tem relevância na economia do município de Sintra?
Nós recebemos cerca de 5 milhões de turistas por ano. Património mundial da Humanidade na categoria de Paisagem Cultural Edificada, conjunto e matriz de edifícios e palácios de caracter romântico e monumental, paisagem erudita, tecido de quintas históricas de esplendor, com 22 km de orla costeira onde se observam praias magníficas e afirmações geológicas únicas, centro de golfe e surf, território de mosaico rural notável, Sintra, o território e sociedade de Sintra, são um múltiplo e diverso atractivo da experiência turística.
Prossegue, em prudência e delicadeza, a criação de condições de acolhimento (resorts e unidades hoteleiras), amáveis e adequadas à monumentalidade de Sintra. Rigorosos, temos, no Turismo, um objectivo de rigor e excelência.

É possível dar nota do número e nacionalidades dos turistas que visitam Sintra e das tendências de investimento em turismo residencial?
Observamos indicadores e tendências do turismo em Sintra. Em pontos focais, identificamos origens e grau de satisfação. Em crescendo, os territórios de origem são a China, itália, Espanha, França, Reino Unido e Alemanha. Observa-se reforço da presença de turistas com origem nos EUA.
Notamos ainda taxas de crescimento de dois dígitos, crescimento ocorrido por razões conjunturais (a designada primavera Arabe, a conflitualidade no Oriente Médio, a preocupação crescente na Turquia) e que hoje verifica tendência de consolidação. Portugal, a Região de Lisboa e Sintra são, hoje, territórios melhor conhecidos pelos europeus.
A qualidade observada consagra a tendência de permanência e, sobretudo, alavanca o factor de turismo residencial. O investimento, neste domínio, do turismo residencial, observa atractividade. A reabilitação de património edificado, a reabilitação urbana, são hoje eixos estratégicos de política municipal favorecendo o acolhimento de turismo residencial. Há dinâmica, há acontecimento.

Existe no quadro do município alguma estrutura dedicada à atracção e acompanhamento de iniciativas de investimento?
Sim, promovemos e estruturámos o Gabinete de Apoio Empresarial, directamente dependente e integrado na Presidência da Câmara Municipal, estrutura que visa o acompanhamento criterioso das iniciativas de investimento e focada no auxílio da resolução de custos de contexto no domínio do licenciamento.
Definimos o quadro de critérios dos designados Projectos de Relevante Interesse Municipal, projectos que merecem um Contrato de Investimento especifico e onde se inscrevem diversas matérias de natureza fiscal, favorecendo e promovendo o acolhimento do investimento.
Temos sobre essa decisiva matéria, uma prioridade política irrenunciável. O emprego sucede ao investimento. O investimento depende do licenciamento. Seguimos este quadro de questões em modo de proximidade. Investir é relevante. Em rigor e critério.

Que releva como tendência na economia do município?
Sublinharia um conjunto de investimentos muito relevantes no domínio do turismo, investimentos que vão garantir num futuro próximo o aumento do número médio de estadias em Sintra e o reforço do quadro de qualidade no acolhimento, uma tendência de modernização excepcional do nosso perfil de actividades no domínio da indústria, particularmente na farmacêutica, agro-alimentar, material e equipamento de transporte, observa-se uma tendência de modernização de oferta na área da logística e uma crescente dotação do território em matéria de comércio e serviços (na área da saúde, a tendência de crescimento da oferta atingirá números muito significativos), e, finalmente, é verificável o quadro de modernização na estrutura interna das empresas em matéria de gestão e tecnologia.
Nesta matéria, terminaria dizendo que hoje Sintra é dos municípios de maior valor exportado em termos nacionais, crescemos 21%, nos últimos 3 anos, em valor exportado (sem contar com os números do Turismo) e a tendência é claramente de afirmação positiva.

 

Pin It

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *