Ilha de Gorée

by • • • Comments (0)

A “Ilha de Gorée” ou simplesmente “Gorée” é uma ilha no Oceano Atlântico Norte, localizada na baía de Dakar (Senegal). A sua descoberta deve-se a um português, chamado Denis Dias, que aí terá chegado no século XV.
Os portugueses batizaram-na com o nome de “Ilha de Palma” e ocuparam-na até 1580.
Em 1627, os holandeses tomaram a ilha e a história deve-lhes o nome de “Goree” que deriva do holandês “Goede Reede” que significa “Bom Porto”.
É um lugar simbólico para a memória do tráfico de escravos na África tendo sido entre os séculos XV e XIX, um dos maiores centros de comércio de escravos do continente, a partir de uma feitoria fundada pelos Portugueses. Esse entreposto foi, ao longo dos séculos, conquistado e administrado por Holandeses, Ingleses e Franceses.


A sua arquitetura é caracterizada pelo contraste entre as sombrias casernas dos escravos e as elegantes mansões dos seus mercadores.
Gorée foi classificada em 1978 como Património da Humanidade, sendo um símbolo da exploração humana e uma escola para as gerações atuais, com grande importância para a Diáspora africana.
Foi assim um dos primeiros lugares a ser colocado na lista da herança mundial gerida pela Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura. (UNESCO).
Gorée é um dos 5 locais que integram o Projeto City 2020.

 

Visita do Presidente português a Gorée
O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, fez em Abril de 2017, uma visita oficial à ilha Memória do sofrimento dos escravos.
A delegação do Presidente visitou a casa dos escravos, numa visita marcada por momentos de fortes emoções, se lembrarmos a atrocidade que o continente africano sofreu com o tráfico de escravos, mas também uma visita marcada por momentos de trocas e de prazeres partilhados pelo presidente Marcelo Rebelo de Sousa com os habitantes da ilha de Gorée.

 

Projecto City 2020
O Projeto City 2020 é uma iniciativa aprovada pelo Programa de Cooperação Interreg MAC 2014-2020, financiada pelo FEDER, que tem como parceiros as Cidades declaradas Património da Humanidade localizadas no Atlântico, nomeadamente Angra do Heroísmo, La Laguna (Canárias), Saint Louis (Senegal), Isle de Gorée (Senegal) e Ribeira Grande de Santiago (Cabo Verde). Este projeto de cooperação territorial pretende evidenciar e enriquecer a competitividade empresarial e comercial em rede, em particular no setor turístico, através de iniciativas inclusivas, inteligentes e sustentáveis.
Com a assinatura do Protocolo de Cooperação entre estas cinco cidades, inicia-se um período de contínuo intercâmbio e trabalho conjunto para a prossecução dos objetivos previstos neste Projeto – promoção de produtos e serviços turísticos sustentáveis, inovadores e de qualidade, promoção do comércio local nas Cidades Património da Humanidade, o apoio a PME’s do setor turístico e a empresas hoteleiras mediante ações formativas ou o apoio a empreendedores para um desenvolvimento mais competitivo do setor turístico em termos de eficiência e aumento da qualidade dos produtos e serviços locais, por exemplo.
O objetivo final consiste em alcançar maior desenvolvimento empresarial, reativação económica das Cidades Património da Humanidade participantes neste Projeto, o aumento da competitividade no âmbito territorial e a consolidação da zona comercial aberta.
O Projeto CITY 2020 parte da premissa de que o desenvolvimento económico sustentável e a competitividade empresarial das cidades Património da Humanidade devem realizar-se mediante um trabalho conjunto realizado a nível local, com o objetivo de alcançar um ponto de equilíbrio entre a conservação, tradição e o progresso.

 

Pin It

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *