Hotel Palácio Estoril . Entrevista a André Araújo e Sá

by • • • Comments (0)

Texto: Flora Torralvo
Fotografias: Tiago Gomes

O Hotel Estoril Palácio celebrou este ano 87 anos de um historial fabuloso que mais parece saído de um filme clássico. Atravessou uma guerra mundial e a revolução nacional, foi palco de momentos altos em épocas áureas e em épocas de crise serviu de refúgio aos maiores líderes europeus. Acolheu membros da realeza europeia, albergou espiões e foi escolhido como cenário de filmes como foi o caso da série James Bond, o célebre agente secreto 007, no filme “Ao Serviço de Sua Majestade”.
Quem nos contou estas e outras histórias foi André Araújo e Sá, Sales Director do Hotel Estoril Palácio.

Como surgiu este hotel?
Este Hotel nasceu em 1930, foi um projeto edificado pelo Sr. Fausto Figueiredo que tem hoje uma estátua em sua homenagem nos Jardins do Casino Estoril. Ele acabou por projetar o Estoril como destino turístico e construiu, entre alguns empreendimentos o Hotel Palácio e o Casino do Estoril, que durante muitos anos pertenceram à mesma empresa.

Este hotel já foi conhecido por “Costa dos Reis”. Porquê?
Já. Foi conhecido durante o período da Segunda Guerra Mundial, em que, devido à neutralidade de Portugal, algumas famílias reais se exilaram no Estoril. O Hotel Palácio foi a casa escolhida para a estadia de inúmeros membros da realeza europeia, como a família real de Itália, o rei Humberto de Itália que vivia em Cascais, por exemplo, ou a família real de Espanha, como a Vitória Eugénia que era a bisavó do rei Filipe de Espanha, foi uma cliente frequente do hotel, uma das suites tem o seu nome inclusive. E muitos outros, como Grace Kelly, a família real da Grécia, do Luxemburgo, princesa Ana de Inglaterra, e príncipe Filipe da Dinamarca. Aqui muitos membros de várias casas reais recebiam os seus convidados para os mais variadíssimos eventos, como casamentos, bailes de debutantes, muitas cerimónias…
Para além de famílias reais, este hotel também acolheu muitos chefes de Estado, imperadores, a nobreza europeia, muitos políticos, grandes artistas do mundo, escritores, campeões de desporto, realizadores de cinema, atores. E mantém esta tradição de que tanto nos orgulhamos.

Este é um hotel que está recheado de histórias…
É, isto porque, durante a Segunda Guerra Mundial Lisboa era um ponto de paragem obrigatória de espiões, um dos espiões foi Ian Fleming que escreveu aqui o primeiro livro do James Bond que foi o Casino Royal, e diz-se que se inspirou no Hotel Palácio. Ele inspirou-se num espião jugoslavo, que era Dusko Popov que frequentaram este hotel no mesmo período em 1941, e nós temos na carta de bar uma ficha de registo dos hóspedes de Ian Fleming e Dusko Popov, e uma pequena página que a escrita em vários idiomas, e fala um pouco do que era o bar do Hotel Palácio e quem o frequentava. falava-se que era muito frequentado por espiões ingleses, era uma zona que também era frequentada por espiões alemães, e muito se encontravam também no casino do Estoril.

O grande Salão Atlântico, foi cenário de alguns dos acontecimentos mais grandiosos que se realizaram no hotel. Pode falar-nos de alguns desse eventos?
Muitos dos eventos do Salão Atlântico foram bailes de debutantes e casamentos de muitas personalidades das famílias reais e de personalidades mundialmente conhecidas. Este é um espaço que tem capacidade para 500 pessoas e é um lugar onde temos tido oportunidade de fazer, não só festas de gala, mas também muitas conferências, muitos eventos nacionais e internacionais. Foi também cenário de uma cimeira da Nato, e foi também cenários de alguns eventos internacionais como o torneio de vela, que tivemos aqui em Cascais. Cascais é conhecido por ser uma costa lindíssima, que atrai variadíssimos eventos, como torneios de vela, cujos jantares de gala são, muitas das vezes, realizados no nosso hotel.

Cada sala tem uma decoração diferente, o arquiteto teve esse cuidado, sempre primando pelo luxo e sofisticação. Pode-nos falar um pouco sobre isso?
O Hotel Palácio de hoje mantém muitas das características dos anos trinta. A fachada integralmente branca e os belíssimos jardins, elementos aliados à elegante decoração clássica, e sim sempre pensando no luxo. Todas as salas do hotel são especiais, todas têm um toque elegante, com um estilo clássico e requintado. Temos uma sala, que é a sala tropical, que era a antiga biblioteca do hotel, que é uma sala com decoração alusiva às nossas ex-colónias, tem umas pinturas na parede, e tem algumas peças do género, sala essa que atualmente é uma sala de leitura, sala de estar, muitas das vezes é transformada e utilizada para fazer eventos, reuniões ou jantares. Esta foi uma sala em que, há cerca de 3 anos, o príncipe Alberto do Mónaco fez um jantar de gala para cerca de 40 pessoas. Todas as salas são diferentes, mas todas elas estão preparadas para receber eventos, sejam eles um cocktail, seja uma reunião, seja uma exposição, seja um simples encontro.

Quem são os clientes de hoje?
Os clientes de hoje vêm de todo o lado. O cliente mais tradicional é o inglês, que tem vindo a marcar presença no Hotel palácio desde sempre. Mas também franceses, espanhóis e portugueses que sempre foram, aliás, o nosso principal mercado. São clientes que vêm para o Estoril por várias motivações, muitos deles vêm para passar férias entre os meses de Julho e Agosto, vêm para passar o fins de semana, na Páscoa ou no carnaval por exemplo, vêm jogar golfe também. E temos também muitos eventos de empresas, com várias reuniões e congressos. também temos aqui muito próximo o Centro de Congressos do Estoril, o que dá uma certa dinâmica à região, no que respeita a eventos nacionais e internacionais, é um auditório com capacidade até 600 pessoas. e o Hotel palácio está localizado ao lado, e acabamos por ser, ma maior parte das vezes, o hotel oficial, dos eventos internacionais que ocorrem aqui.
As motivações dos clientes, são um pouco de tudo, muito lazer, muito golfe, muito corporate também, clientes que vêm por 2 ou 3 dias em viagens de negócios aqui nesta zona. Portanto, acaba por ser muito variado e com várias nacionalidades. 

O que acha que vos distingue dos outros hotéis?
Acima de tudo as pessoas que trabalham aqui. Até há uns anos atrás 50% do staff trabalhava connosco há mais de 25 anos. Hoje em dia temos colaboradores que trabalham connosco há cerca de 10, 15 ou 20 anos, então a mensagem vai sendo passada de geração em geração. O que nos diferencia dos outros é essencialmente o serviço, que tem como objetivo fazer com que as pessoas se sintam em casa e não num hotel. Por esta razão, temos clientes repetidos, que vem variadíssimas vezes ao nosso hotel.

Nos últimos tempos aumentou a oferta de qualidade na zona. Esse facto alterou de alguma forma a faturação do vosso hotel?
Alterou para melhor! Estamos a ter melhores resultados hoje em dia, uma maior ocupação, estamos a vender melhor, mas a nível de serviço de hotel o objetivo é melhorar sempre. O cliente quando vem para o Hotel Palácio, espera muito mais do que encontrar uma cama confortável, ou um bom pequeno almoço. A expectativa que os clientes têm ao escolher o nosso hotel é, um bom serviço, porque nós temos uma reputação lá fora ligada exatamente ao serviço, que é um conjunto de fatores ligada não só à qualidade dos quartos, à qualidade do pequeno almoço, à localização do hotel, mas acima de tudo é toda esta harmonia que existe entre as pessoas, o staff e o hotel que combinam na perfeição.

O Palácio foi segunda casa das famílias reais espanhola, italiana, francesa, búlgara e romena e continua ainda hoje a ser o local de eleição dos seus descendentes. Em sua homenagem foi criada em 2011 a Galeria Real, onde se podem apreciar instantâneos de grandes personalidades da realeza que passaram pelo hotel.

 

Pin It

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *